Amazon e sua livraria física

Creio que a melhor maneira de abordarmos estas ações da Amazon seja a concentração econômica. Ao menos torna o debate mais “verificável” do que tratarmos de predomínio de tecnologia em uma sociedade que está delimitando o que será leitura – por exemplo.
 
A capacidade financeira e logística da Amazon de estipular descontos e lidar com prováveis prejuízos mas garantindo vendas gera um processo de concorrência muito agressivo para as livrarias como modelo de negócio do produto livro (impresso e digital).
 
Abrir livrarias é um passo a mais em um processo de retração (fechamento mesmo) na estrutura econômica das livrarias. Fecham algumas pequenas, abre uma Amazon gerando uma “centralidade” naquele território específico.
 
O desafio de fato está com as grandes redes de livrarias, pois a sua principal característica – a “centralidade” no território por sua eficiência – ganha mais um concorrente.
 
Estamos muito longe do final das livrarias. O que vemos hoje é um processo de inovação schumpeteriano. Problemas graves se evidenciam, mas oportunidades ganham terreno fértil. É possível nomear livrarias em processos inteligentes de crescimento.
 
Amazon quer ocupar o espaço que já é “dela” – seus clientes gostam de frequentar lugares e lojas. A base é atendê-los, expandir o pós-venda do Kindle e “educar” quem não é usuário Amazon.

Interessante que este não é um “retorno às origens” por um detalhes radical: Amazon começou como ecommerce dos livros. Seu crescimento se dá não pela tecnologia em si, mas por atender às limitações territoriais e da cadeia de produção, circulação e comercialização dos livros. A partir deste preceito, atender os desafios que cada território nacional têm fisicamente. E superar com práticas administrativas todas as restrições que o modelo de distribuição de livros ainda vigente impõe. Muito provavelmente foi isso que trouxe à Amazon a sua imensa capacidade de dar descontos e conter prejuízos programados em prol de garantir vendas. O novo cliente, satisfeito, vira um cliente fiel. E vai continuar gastando, mesmo que mal acostumado a ter descontos indefinidamente.

Muito cedo para afirmações. Mas o processo de inovação Amazon já se consolida em concentração econômica em viés monopolista justamente porque ele atende o cliente de forma excelente e “vai atrás” de seu cliente. Sua principal virtude pode se tornar a sua principal forma de diversificação comercial – como resistência e como expansão.

Obrigado pela leitura!
 
 
Advertisements

About mezgravis

Formado em Ciências Sociais, mestre em Geografia Humana, pesquisador da economia do livro e da ascensão definitiva das informações no sistema produtivo contemporâneo.
This entry was posted in #pmlllb_sp, Acessibilidade, Amazon, bibliodiversidade, Big Data, capital monopolista, comércio eletrônico, Comportamento, comportamento do usuário, concentração econômica, consignações, distribuidoras de livros, e-books, e-readers, editoras, financiamento, Leitores, leitura, livrarias, mídias sociais, planejamento nacional, privacidade, produção sob demanda (POD) and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s